TCE vê indícios de irregularidades e suspende licitação para compra de tablets

A empresa denunciante alega que a secretaria de Administração do Estado fez “exigências ilegais” no edital.

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Arnóbio Viana, acolheu denúncia da empresa Jaqueline Del Mestre Guimarães – ME e determinou a suspensão do Pregão Presencial Nº 327/2015 que visa adquirir tablets educacionais para o estado.

A empresa denunciante alega que a secretaria de Administração do Estado fez “exigências ilegais” no edital, como a apresentação de laudo comprobatório, emitido por instituição credenciada pelo INMETRO para grau de proteção de sólidos e líquidos e comprovante de que a fabricante possui assistência técnica na capital da Paraíba, com no mínimo um engenheiro ou equivalente, devidamente registrado no CREA-PB.

Em sua decisão, o conselheiro atesta indícios de irregularidades no pregão por conta das exigências não previstas em lei que restringem o número de participantes, contrariando o interesse público.

“Observa-se que as exigências feitas pela administração, conforme registrado pelo Órgão de Instrução, além de não integrarem os requisitos previstos na lei geral de licitações, são capazes de inibir a participação de um maior número de licitantes, contrariando o interesse público, justificando assim a concessão da medida de urgência”, despachou.

A secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, poderá apresentar defesa, mas se não atende a determinação do TCE, poderá estar sujeita às sanções previstas na Lei Orgânica da Corte de Contas.

Fonte Blog do Gordinho

Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Diamante Online, não reflete a opinião deste Portal.