Azevêdo e líder na AL divergem de Ricardo e dizem que G-10 é governo

Indagado por jornalistas em João Pessoa, Azevêdo disse que não cogita exigir posicionamento do referido colegiado porque sabe que os deputados que o compõem fazem parte da base.

Em tom oposto ao que balizou declarações do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) em entrevista na cidade de Cajazeiras, o governador João Azevêdo e seu líder na Assembleia, Ricardo Barbosa, expressaram, ontem, o ponto de vista de que o G-10 está alinhado com a atual administração e com o projeto que comanda o Palácio da Redenção desde janeiro. “O grupo segue uma lógica do Parlamento que é constituir um bloco político para buscar maior participação nas instâncias da Casa, como as comissões, inclusive, presidindo algumas delas. Isso precisa ser visto e respeitado”, comentou Barbosa. O presidente da Assembleia, deputado Adriano Galdino, também do PSB, disse não identificar sinais de dissidência por parte do G-10.

Na entrevista em Cajazeiras, Ricardo Coutinho bateu forte contra o grupo, exortando, inclusive, o governador João Azevêdo a ter pulso firme com os deputados eleitos pela base governista e que agora estão compondo o G10. “Essa bancada tem que ter relação com o governo porque, quando se subdivide, essa coisa vai terminar em coisa ruim, vai ter atritos. Eu não sou governante, mas se me visse numa situação como essa gostaria de ter uma definição”, acentuou Coutinho. Salientou que “está na hora de João dizer que não aceita essa postura dos parlamentares”. E arrematou: “Estou falando de política, de unidade, sem nada de pessoal contra quem quer que seja. Mas tive um primeiro mandato profundamente tumultuado, em minoria, e não cedi a chantagens”, asseverou, ainda, Ricardo.

Indagado por jornalistas em João Pessoa, Azevêdo disse que não cogita exigir posicionamento do referido colegiado porque sabe que os deputados que o compõem fazem parte da base. “O G10 é parte do governo, é base e está na Assembleia parra ajudar”, opinou João, sublinhando de forma enfática: “Este é um projeto que eu ajudei a construir. Eu não cheguei aqui de paraquedas, não. Eu não entrei nesse projeto em primeiro de janeiro. Cheguei nele desde 2005, portanto, conheço e faço parte desse projeto”. O deputado Ricardo Barbosa chamou a atenção para diferenças de estilos entre João Azevêdo e Ricardo Coutinho e outras sutilezas do jogo político estadual. “Ricardo ganhou o primeiro turno em 2010 com 8.367 votos e elegeu seis deputados. João colocou uma maioria de 669.233 votos sobre o segundo colocado e elegeu 22 deputados. Ricardo demitiu todos ao chegar ao governo. João não tirou ninguém. Acho que a gente não deve ciscar para fora”.

Fonte Os guedes

Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Diamante Online, não reflete a opinião deste Portal.