São Paulo avança na Sul Americana e Vasco é goleado na Copa do Brasil

Dois minutos mais tarde, porém, a sorte não sorriu para o Cruz-Maltino, já que Vinícius fez o 3 a 0. Perto do fim, Kelvin acertou o travessão e quase diminuiu para o Vasco, mas era tarde demais.

O São Paulo superou os fantasmas de eliminações recentes na temporada e despachou o Rosario Central da Copa Sul-Americana. Apoiado por mais de 33 mil torcedores no Morumbi, o Tricolor ganhou da equipe argentina, por 1 a 0, e se garantiu na segunda fase da competição continental. O gol solitário do time de Diego Aguirre foi marcado por Diego Souza, aproveitando rebote dentro da área.

A atuação do Tricolor em campo não empolgou a quase ninguém, mas foi suficiente para passar de fase e trazer tranquilidade ao clube. Depois de quatro empates seguidos - dois deles cedendo a igualdade no marcador em casa no segundo tempo - o time, enfim, voltou a vencer. Agora são sete jogos de invencibilidade são-paulina na temporada.

A equipe do Morumbi conhecerá seu adversário na segunda fase da competição continental após sorteio da Conmebol, que será realizado no dia 4 de junho - mesma data da definição das oitavas de final da Copa Libertadores. O próximo jogo do São Paulo na Sul-Americana, no entanto, acontecerá apenas após a realização do Mundial da Rússia. Até lá, a equipe disputará apenas o Brasileirão.

Chuva de gols perdidos
Precisando do resultado em casa, o São Paulo começou bem na partida. Não demorou muito para o Tricolor chegar ao gol defendido por Ledesma. Na primeira chance clara, o camisa 9 Diego Souza furou o chute e não conseguiu marcar. Depois, dois lances inacreditáveis no Morumbi. Dentro da pequena área, completamente livre, sem goleiro na jogada e com a bola vindo rasteira em sua direção, o volante Petros teve a incapacidade de fazer o gol. Na sequência, Nenê, também livre dentro área, recebeu passe açucarado de Diego Souza e bateu nas mãos do arqueiro do Rosario.

Presença de área
Contratado por R$ 10 milhões para ser o camisa 9 do São Paulo e decidir os grandes jogos, o meia-atacante Diego Souza mostrou a que veio na noite desta quarta. Em jogada iniciada por Liziero no meio de campo, o lateral Reinaldo invadiu a área e bateu rasteiro, no canto. Caprichosamente, a bola bateu na trave e voltou para o campo. Acompanhando a jogada, Diego apenas deixou a redonda bater em seu pé e estufar a rede.

A vantagem no marcador deu ao São Paulo a vantagem de apostar no contra-ataque. Depois do gol, o time recuou na defesa e deu a bola para o Rosario Central. O problema, no entanto, é que a ideia de Aguirre não deu certo e os argentinos controlaram completamente a partida nos 15 minutos iniciais. A torcida ficou apreensiva e, apesar do histórico recente de ceder o empate jogando em casa, o Tricolor segurou a pressão e carimbou sua vaga para a próxima fase.

Confusão no fim
Apesar de eliminatória e decisiva, a partida entre brasileiros e argentinos não foi violenta. No fim da partida, no entanto, os ânimos afloraram e houve desentendimento em campo. O peruano Cueva e o volante Petros acabaram expulsos de campo. Nos últimos 11 jogos do São Paulo em jogos da Conmebol, em apenas dois não houve cartões vermelhos para os jogadores do Tricolor.

Diga não ao racismo
Antes da bola rolar, as torcidas do São Paulo e Rosario chegaram juntas ao Morumbi. Brasileiros e argentinos combinaram de levar uma faixa protestando contra o racismo nos estádios - cena, infelizmente, não tão rara na América do Sul. Os torcedores confraternizaram nos arredores do Morumbi e, juntos, receberam as delegações de suas respectivas equipes no portão principal da casa são-paulina.

Vasco - Não está fácil para o Vasco em 2018. Na noite desta quarta-feira, em Salvador, estreando na Copa do Brasil na ida das oitavas de final, o Cruz-Maltino foi goleado por 3 a 0 pelo Bahia. Drama para ser vivido pelo time de Zé Ricardo até a volta, marcada para 16 de julho, depois da Copa, quando as equipes se encontrarão em São Januário. Se vencer por três gols de diferença, o Vasco levará a decisão da vaga aos pênaltis. Para se classificar direto, tem de vencer por quatro. Qualquer outro placar a vaga ficará com o Bahia.

Nas oportunidades que o técnico Zé Ricardo não faz mudanças profundas no time, o Vasco não erra tanto. Mas quando isso acontece, deixando o entrosamento de lado, a situação muda de figura. Neste jogo, a utilização de três zagueiros, com Werley improvisado na lateral direita, definitivamente falhou.

PRESSÃO!
Dentro de seus domínios, o Bahia foi perspicaz para aproveitar as falhas apresentadas pela equipe de Zé Ricardo. Aos cinco minutos, Paulão falhou, Vinícius puxou o contra-ataque e achou Elton, que mandou cruzado pra fora. Aos 13, João Pedro desceu com perigo, mas ninguém do time baiano chegou para finalizar.

DE TANTO TENTAR...
...o Bahia abriu o marcador. Aos 18, Zé Rafael aproveitou sobra em jogada muito bem trabalhada por João Pedro - aliás, ele foi o destaque dos donos da casa no jogo, vencendo todas as disputas com os zagueiros do Vasco - e colocou o 1 a 0 no placar.

SEM REAÇÃO
Atrás do marcador, o Vasco não conseguiu mostrar que reagiria. Com isso, o Bahia continuava pressionando e levando perigo ao gol defendido por Martin Silva. Edigar Junio, aos 24, subiu livre após falta cobrada por Vinícius para ampliar a favor dos baianos sobre os vascaínos.

Foi uma noite que ninguém estava bem com a camisa do Vasco. Até Leandro Desábato, a melhor contratação do Vasco em 2018, falhou bastante - o que é incomum em seu retrospecto. Aos dois minutos do segundo tempo, o argentino foi driblado por Élber e se não fosse o goleiro do Vasco, o terceiro era marcado. Dois minutos mais tarde, porém, a sorte não sorriu para o Cruz-Maltino, já que Vinícius fez o 3 a 0. Perto do fim, Kelvin acertou o travessão e quase diminuiu para o Vasco, mas era tarde demais.

Fonte Terra

Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Diamante Online, não reflete a opinião deste Portal.