Paraíba inicia nova fase do Plano de Contingência

Com a determinação, os casos de coronavírus seguem o mesmo protocolo de outras síndromes gripais, como H1N1, por exemplo

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que, de acordo com a Portaria Nº 454, do Ministério da Saúde, publicada nessa sexta-feira (20), será iniciada uma nova fase na efetivação do Plano de Contingência Estadual da Paraíba para o enfrentamento do coronavírus, efetivando a fase de mitigação, que tem como objetivo evitar casos graves e óbitos.

Diante das novas determinações, a recomendação é que, se a pessoa tiver com resfriado comum ou síndrome gripal, tosse, coriza, congestão nasal, dor no corpo, dor leve de garganta COM OU SEM febre, calafrios e dores musculares, deve se hidratar, ter uma boa alimentação e repouso; permanecer em isolamento domiciliar por 14 dias e, em caso de dificuldade respiratória, dor torácica ao tossir ou respirar, comparecer, imediatamente, à unidade de saúde mais próxima.

Com a determinação, os casos de coronavírus seguem o mesmo protocolo de outras síndromes gripais, como H1N1, por exemplo. A gerente executiva de Vigilância em Saúde, Talita Tavares, explica que “a ficha de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) vai ser preenchida só para casos hospitalizados, só os hospitais vão preencher. E SRAG de qualquer etiologia, todos serão tratados iguais”.

Já na nesta segunda-feira (23), estará em funcionamento a Central Estadual de Regulação de Leitos para Covid-19, para garantir o fluxo de transferência de pacientes para os Hospitais de Referência. Os Hospitais de Referência estão distribuídos por macrorregião de saúde, sendo o Hospital Clementino Fraga, Santa Izabel e Hospital Municipal de Valentina na primeira Macro, em João Pessoa, que concentrarão essas internações. Na segunda Macrorregião, o Hospital Pedro I, em Campina Grande; e no Sertão e Alto Sertão, os hospitais Regionais de Cajazeiras, Pombal, Regional de Patos e o Infantil Noaldo Leite, também em Patos, as referências para pacientes internados.

A nota informativa assinada pelo secretário de Saúde, Geraldo Medeiros, e a gerente da Vigilância em Saúde, Talita Tavares, orienta que pessoas com tosse, coriza, espirros, febre e leve indisposição para as atividades de rotina devem permanecer em casa até a melhora do quadro clínico (máximo de 14 dias). “Fiquem em casa e não se dirijam às UPAs, Unidades de Saúde da Família e emergências de hospitais públicos e privados para reduzir a circulação viral podendo utilizar-se dos telefones disponibilizados e obter informações adicionais. Somente em casos de o paciente manifestar intensificação dos sintomas (20% dos casos) necessitará ir a uma unidade de saúde”, alerta.

Fonte MaisPB

Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Diamante Online, não reflete a opinião deste Portal.