Entre Itaporanga e Coremas: depois de prisão injusta, mulher finalmente recebe boa notícia

O juiz Luiz Gonzaga Pereira de Melo Filho, da comarca de Coremas, inocentou Antônia

Uma acusação falsa de envolvimento na morte do próprio sogro levou a dona de casa Antônia Osmarina Santos Silva, de 37 anos, a ficar seis meses recolhida ao presídio feminino de Patos. Mãe de três filhos pequenos, índia, como popularmente é conhecida, sofreu não apenas com a prisão, mas com as consequências advindas do encarceramento: a humilhação, a execração pública e a separação abrupta dos filhos, que ficaram nas mãos de pessoas com as quais nunca tiveram convivência, os pais do companheiro dela, o verdadeiro e único autor do crime e que está preso.

A briga, que precedeu o crime, ocorreu na noite de 29 de junho de 2017, no interior da residência do casal, que ficava no Alto da Boa Vista, em Coremas. Francisco Julião de Farias Neto, conhecido como Cara de Gato, então com 21 anos, desentendeu-se com o próprio pai, Carlos Alberto Barbosa, durante uma bebedeira, e, depois de tirá-lo para fora de sua casa, matou-o a pedradas.

Ele foi preso em flagrante e acusou sua companheira, Antônio Osmarina, de envolvimento no crime. Meses depois, a mulher foi presa. “Foram seis meses de sofrimento, longe dos meus filhos, que sofreram muito nas mãos dos outros, e também o que mais me doeu é que a família dele passou a me acusar pelo crime e ele também, e fui até agredida por eles depois da morte, mas nem o crime eu vi, porque na hora da briga, uma filha pequena minha se acordou e começou a chorar, então eu corri para acalmar a menina, e aí foi, nesse momento, que a briga continuou fora de casa e houve a morte”, narra a mulher, que hoje reside com os filhos em Itaporanga, depois de conquistar a liberdade em abril deste ano. No entanto, continuou respondendo ao processo e temia voltar para a cadeia, mas, em agosto deste ano, finalmente recebeu uma boa notícia da Justiça: em despacho de agosto passado, o juiz Luiz Gonzaga Pereira de Melo Filho, da comarca de Coremas, inocentou Antônia, ou seja, convenceu-se de que ela não teve participação no homicídio, enquanto seu ex-companheiro está preso e vai a júri popular.

Mas índia ainda sofre as consequências da prisão: depois de voltar à liberdade, viu que não tinha mais nada além dos três filhos. “A dona da casa que eu morava jogou todos os meus troços fora enquanto eu estava presa e hoje vivo quase sem nada na casinha que aluguei, e aqui, na cidade, não tenho família, pois sou natural do Pará, e passo muitas dificuldades, mas estou lutando para dar uma condição de vida melhor aos meus filhos e isso é que o que interessa”, comentou.

Fonte Folha do Vali

Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Diamante Online, não reflete a opinião deste Portal.